María Pagés Compañía

Una oda al tiempo

Doze sentimentos espelhados em doze cenas de flamenco

Em seu novo espetáculo, a bailarina e coreógrafa utiliza a sintaxe do flamenco para, através de uma ode ao tempo, estabelecer uma necessária troca de ideias com a memória — do efêmero ao eterno e ao imutável. A inspiração múltipla veio de autores tão díspares quanto Platão, Margueritte Youcenar, Martin Heidegger, Pablo Neruda e do compositor John Cage.

Trata-se de uma obra madura, na qual a coreógrafa sevilhana dá sequência ao seu diálogo permanente com a memória da dança flamenca. Ao explorar a contemporaneidade e o necessário diálogo com a memória, Pagés traz uma reflexão ética e artística sobre a atualidade, explorando as luzes e sombras perturbadoras que assinalam o nosso tempo.

Em Una oda al tiempo, Pagés é acompanhada por oito bailarinos e sete músicos, que compartilham conosco as estações da alegria, da euforia, do amor, do desejo, da exaltação dos sentidos e do corpo, da beleza e das utopias, em oposição ao tempo da melancolia, do recolhimento, do medo, da guerra e da memória, em sequências coreográficas rápidas e nítidas, dentro de um ritmo que reflete a sua condição mutável e polimórfica. Um espetáculo denso e altamente instigante.

Duração : 95 min sem intervalo

Galeria de Fotos